>

Quais são os tipos de graxa e qual a importância de cada uma?

Existem diversos tipos de graxa no mercado, e cada um deles tem a sua importância. No geral, o termo graxa é usado para classificar todo e qualquer lubrificante pastoso composto ou de alta viscosidade, com combinações feitas com óleo mineral ou sintético e aditivos.

A graxa é usada em diversas situações, como em equipamentos, com o objetivo de diminuir o atrito existente em rolamentos. Isso aumenta a durabilidade e a vida útil desses aparelhos.

Os variados tipos de graxa também estão sempre presentes nas indústrias, pois grande parte das máquinas e equipamentos precisa ser lubrificada para funcionar da melhor maneira possível.

Além disso, ela também é constantemente usada em correntes de bicicletas, em pequenas roldanas caseiras e nos principais processos mecânicos de um carro, por exemplo.

Para isso, é preciso que a graxa tenha uma boa consistência, o que é determinado por meio da concentração de espessantes existente nela, além da temperatura operacional em que ela é usada.

O que é e para que serve a graxa?

A graxa é essencial para lubrificar máquinas e equipamentos.

A graxa é uma substância viscosa gerada por meio da mistura de aditivos, óleos e agentes engrossadores à base de bário, sódio, lítio e cálcio, além dos chamados sabões metálicos.

Existem diversos tipos de graxa, que são usados com diferentes propósitos.

A mistura acaba virando um composto, que tem a função de lubrificar máquinas e equipamentos.

Suas características são propícias para auxiliar qualquer processo de lubrificação, como:

  • Textura: possibilita que as aplicações sejam feitas controladamente;
  • Consistência: permite que exista uma alta capacidade de alcançar resultados excelentes em relação ao desempenho da graxa e da sua durabilidade;
  • Ponto de fusão: permite que a graxa seja manipulada em diversas temperaturas;
  • Filamentação: permite que a graxa seja aplicada facilmente em diversos pontos a serem lubrificados;
  • Aderência: possibilita uma ótima relação entre a graxa e os equipamentos que serão lubrificados.

Por conta de todas essas características, a graxa traz vários benefícios, principalmente pelo seu poder lubrificante. Com isso, ela também se torna essencial para o processo fabril.

Alguns de seus benefícios são:

  • Proteção contra a contaminação pela água e corrosão;
  • Redução do desgaste entre os materiais envolvidos;
  • Redução da fricção;
  • Minimização da quantidade de sujeira ou poeira produzida pela máquina em questão.

Tipos de graxa e suas aplicações

A graxa pode ser usada em mais de uma situação.

Apesar da graxa ser um material de fácil entendimento e utilização, é necessário prestar bastante atenção quando o assunto é o cenário industrial.

Isso se dá porque existem diversos pontos distintos de lubrificação, aplicações, roteiros e tipos de graxa. É importante destacar que há algumas diferenças primordiais, que são capazes de afetar negativamente determinado resultado, caso não haja um uso correto.

As graxas lubrificantes são classificadas conforme o agente espessante utilizado em sua composição. Os principais tipos de graxa são:

Graxa à base de Sódio (Na)

Esta graxa normalmente é bastante fibrosa, não é resistente à água e tem uma ótima estabilidade estrutural.

Pode ser facilmente usada em situações com temperatura até 150°C.

É utilizada em rolamentos, mancais de rodas e de rolamentos e juntas universais, por exemplo.

Uma das principais vantagens do seu uso é o alto poder de conferência de proteção contra corrosão e resistência ao calor, além de possuir uma ótima capacidade de vedação e de aderência.

Apesar disso, esse tipo de graxa conta com uma constante diminuição de sua lubrificação, por conta da sua proteção contra corrosão e da falta de resistência à água.

Graxa à base de Cálcio (Ca)

A graxa à base de cálcio é um produto macio, que apresenta uma boa solidez mecânica e uma alta resistência à agua. Por conta disso, ela é comumente usada em bombas de água, molas de veículos pesados, chassis e cabos de aço.

A substância pode trabalhar em temperaturas que vão até 77°C. Ela também pode ser aplicada com uma pistola, o que facilita bastante o seu uso e manuseio.

As maiores vantagens desse tipo de graxa são o seu baixo custo final, a sua resistência à água e a facilidade da sua fabricação.

Porém, apesar de ter pontos positivos que chamam a atenção, a graxa à base cálcio apresenta um baixo ponto de gotejamento, já que em temperaturas acima de 77°C ela começa a se dissolver e, assim, o óleo acaba por sair do seu ponto ideal de lubrificação.

Graxa à base de Lítio (Li)

Esta substância também é macia, tal qual a graxa à base de cálcio. Ela é bastante resistente à água e trabalha facilmente em temperaturas de até 150°C. Por conta disso, é usada em automóveis e na aviação.

Entre suas vantagens estão:

  • Estabilidade em temperaturas elevadas;
  • Resistência à água;
  • Grau elevado de aderência a superfícies metálicas.

A graxa à base de lítio apresenta apenas uma desvantagem. Ela não pode ser utilizada como lubrificante em indústrias alimentícias, pelo fato de ser um sabão metálico.

Graxas sintéticas

As graxas sintéticas são aquelas produzidas a partir de óleos sintéticos não corrosivos. Esse tipo de graxa é muito utilizado em robôs, satélites e aeronaves.

As graxas sintéticas apresentam uma grande versatilidade e diversidade de uso. Apesar disso, ela não possui resistência ao atrito em temperaturas baixas.

Então, qual graxa utilizar?

O mesmo tipo de graxa pode ser usado em diversos equipamentos e em várias ocasiões.

As graxas lubrificantes são usadas, na maioria das vezes, em mancais de rolamento e de deslizamento, em guias de deslizamento e em cabos de aço.

Essas substâncias podem ser usadas em condições extremas, como altas e baixas temperaturas, além de ambientes com muita poeira.

Como existem diversas aplicações para graxas, é de suma importância que elas sejam escolhidas por alguém que tenha um alto conhecimento da substância e da condição a qual ela será submetida.

Quando uma graxa está prestes a ser selecionada, é fundamental que a sua aplicação e as condições de serviço sejam levadas em consideração.

Uma boa graxa é selecionada conforme as propriedades de seus componentes, como o tipo de óleo básico, o tipo de espessante e a viscosidade do óleo básico que compõe a graxa.

Já o tipo de óleo básico é selecionado de acordo com as condições nas quais a graxa em questão será usada, como temperatura, pressão de trabalho, severidade da carga, entre outros.

Se a graxa tiver sido escolhida para ser usada em condições uniformes e moderadas de temperaturas de operação, ela precisa ter óleos básicos minerais em sua base.

Se o seu uso for destinado a locais de amplas faixas de temperatura e condições de trabalho, sua base precisa ser composta de óleos básicos sintéticos.

Outro ponto a ser observado na escolha do tipo de graxa é o espessante, composto que mantém contido o óleo básico.

Existem diversos tipos de espessante no mercado. Não é recomendado que eles sejam misturados sem que antes tenha sido feito um estudo de compatibilidade.

Os espessantes mais comuns são o complexo de lítio, lítio, poliureia, cálcio, sulfonato de cálcio e complexo de alumínio.

O último item que precisa ser levado em consideração nessa escolha é a viscosidade do óleo básico. Essa é uma propriedade importante em qualquer tipo de graxa.

Quando a viscosidade do óleo básico é escolhida de forma correta, a graxa em questão apresenta um desempenho muito bom durante a sua aplicação e nas suas condições de serviço.

Como remover a graxa do motor?

Excesso de graxa no motor pode provocar superaquecimento.

A fim de remover a graxa do motor, é possível usar combustíveis e solventes. Porém, é recomendado que modernos produtos químicos sejam utilizados para essa prática, para não colocar a vida do operador em perigo.

Para limpar a graxa do motor, você pode usar algum desengraxante, uma maneira simples e vantajosa se comparada com o uso de solventes tradicionais.

O produto costuma agir na diluição da graxa, além de facilitar a sua remoção com o auxílio de um pincel. Ele também possui uma alta ação protetora e um impressionante poder de limpeza. Além disso, é inodoro e não irrita a pele de seu operador.

É importante destacar, ainda, que os restos desse material não podem ser jogados diretamente na natureza. Eles precisam ser entregues a coletores autorizados.

Um ótimo desengraxante a ser utilizado nessas ocasiões é o Remoil 18. Ele biodegradável e essencial para limpar a graxa e fazer manutenção de máquinas, incluindo o motor de automóveis. Por ser biodegradável, o Remoil 18 contribui bastante para a diminuição do impacto ambiental.

Limpar o motor é muito importante, pois o excesso de graxa pode ocasionar um superaquecimento do motor, o que irá acarretar alguns danos nos motores elétricos e nas vedações, além de causar uma sobrecarga no motor.

Você já conhecia os principais tipos de graxa e a importância de cada um deles? Tem alguma dúvida ou gostaria de saber mais sobre o assunto? Deixe seu comentário abaixo. E aproveite para ver outras publicações interessantes no site.

Share

Comments are closed.